Arquivo da categoria: exposições

plenitude vazia

Os lindos  vasos desta exposição  foram nosso presente desta sexta, a plenitude vazia dos coreanos nos deu muito o que pensar.

Na técnica tradicional o vaso é feito em duas partes, duas metades  vazias  a se transformarem num todo, cheio, resistente e  de um estética pura e simples. Nada como as  lindas tradições.

confira mais no:

http://mube.art.br/expos/plenitude-vazia/

Anúncios

Em Busca de Um Novo Mundo, de Beatriz de Carvalho

Beatriz cria uma Mitologia rica e original, em um cenário fictício coeso e bem engendrado; extremamente original dentro de sua proposta metafórica e paralelista. O público é convidado a visitar esse mundo fantástico, e a tirar suas próprias conclusões e identificações sobre os valores humanos passados na obra. Os medos, anseios e perspectivas coletivas do ser humano diante do futuro que nos aguarda movem a idéia da artista, que coloca nossa relação com a natureza como pauta nessa investigação sobre a psique humana.  A “trama” da obra mostra a necessidade de eliminar toda forma de degradação, visando a conscientização ecológica, o resgate social e os valores básicos para o convívio em comunidade.

SAIBA MAIS EM:

http://mube.art.br/expos/em-busca-de-um-novo-mundo-de-beatriz-de-carvalho/

 

 

Dia 21 de setembro. Dia da conscientização da Doença de Alzheimer


O Alzheimer ainda não tem cura, mas tem tratamento

Encarar a doença é a melhor solução para todos: doentes e familiares.

Negar os fatos dificulta ainda mais a possibilidade do doente ter uma vida com qualidade e retardar o avanço da doença.

As memórias e as histórias de vida se apagam com a piora. Palavras falham, mas o branco da memória pode ganhar  um colorido através da arte.

Arte que promove bem estar, expressão, autonomia e estímulo.

Colocar o idoso com Alzheimer em contato com a arte é presenteá-lo com momentos prazerosos em meio ao tumulto causado pelo doença. É olhar para o que resta e não para o que se foi. É dar à ele a possibilidade de dizer com gestos e pinceladas aquilo que as palavras dificultam em descrever.

Neste dia 21 lembre-se:

Você não está sozinho.

Procure a ajuda da ABRAZ e saiba: Quando a memória falha a Arte transforma.

o Afeto permanece. Sempre.

 Dia gostoso esse que passamos hoje. Pintura no atelier e visita à exposição de Pablo Atchugarry com a presença do escultor. E em meio as esculturas nossos olhares percorriam a beleza do tempo como matéria. Terminando a visita , fomos dar um costumeiro beijinho com os votos de uma linda semana, quando ouvimos em alto e bom tom:

Obrigada por terem me trazido a este lugar tão lindo!
E nós de coração queremos agradecer à esses filhos e filhas especiais que nos entregam, toda semana, essas verdadeiras jóias em nossas mãos. Obrigada pela confiança e por entenderem que mesmo que a memória falhe, o afeto permanece.

Apreciar obras de Arte e seus benefícios.

 

Arte tem efeito positivo em pacientes com Alzheimer

Pesquisa italiana afirmou que visita a obras de arte pode reduzir sintomas relacionados à doença, como ansiedade, apatia, irritabilidade e agressividade

Diversão e arte: pesquisa defende que observar obras de arte atenua sintomas do Alzheimer (Thinkstock/VEJA)

Contemplar obras de arte produz efeitos benéficos para os pacientes com Alzheimer, de acordo com estudo realizado pelo Centro de Medicina do Envelhecimento da Universidade Católica de Roma, em conjunto com a Galeria Nacional de Arte Moderna.

A pesquisa envolveu 14 pacientes com grau leve a moderado da doença e comprovou que admirar a beleza das obras de arte pode reduzir em 20% a frequência de alguns sintomas como ansiedade, apatia, irritabilidade e a agressividade dos que sofrem da doença.

Os pacientes foram guiados pela pinacoteca, onde puderam observar detalhes das pinturas de Paolo Veronese, Domenico Morelli e Giuseppe de Nittis. Depois, foram submetidos a uma avaliação clínica e psicológica, segundo o jornal.

“Os resultados comprovam que visitar museus pode frear os primeiros sintomas da doença”, explicou Roberto Bernabei, diretor do Centro de Medicina do Envelhecimento. “Levar os pacientes a locais onde se mostra a beleza é também uma maneira de comunicar ao doente que ele não está segregado e que embora sua mente vacile, pode continuar sua vida”, explica Bernabei.

Menos stress — “O teste feito antes e depois da visita pela galeria evidenciou uma notável redução do nível de stress, não só em quem está mal, mas também nos acompanhantes”, explicou a geriatra Rossella Liperoti que ressaltou o fato dos efeitos se prolongarem por semanas.

No entanto, não foi comprovada nenhuma influência das obras de arte no déficit cognitivo dos pacientes. Não é a primeira vez que a ciência procura demonstrar a influência positiva da arte em pessoas com algum tipo de doença. O Museu de Arte Moderna de Nova York (Moma) tem um programa de visitas guiadas para incentivar a criatividade em pacientes com Alzheimer.

Números mais recentes da Associação Mundial de Alzheimer contabilizam 40 milhões de doentes e a previsão é que crescimento de 50% até 2030.

 

http://veja.abril.com.br/noticia/saude/arte-tem-efeito-positivo-em-pacientes-com-alzheimer

 

Brasil – passado e futuro

Fotografias, vídeo-entrevistas, mapas, maquetes, infográficos e painéis interativos compõem a exposição, que faz parte de um projeto maior que dispõe também de espetáculo teatral e documentário. Brasil, Passado e Futuro aborda os mais relevantes acontecimentos desde o Brasil Colônia. Os períodos e fenômenos históricos mais importantes e a vida de alguns dos mais influentes personagens estão detalhados em painéis fotográficos e plataformas interativas. Para facilitar a compreensão dos momentos históricos, a exposição foi dividida em duas partes: Passado e Futuro.

Continuar lendo Brasil – passado e futuro

Artista desenha auto-retratos durante 5 anos após ser diagnosticado com Alzheimer

Em 1995, aos 61 anos, William Utermohlen, um artista americano que vive em Londres, recebeu um diagnóstico devastador. Ele tinha a doença de Alzheimer. Em resposta a sua doença (ou talvez a despeito dela) ele começou a pintar autorretratos. Eles se tornaram uma maneira do artista tentar entender sua condição.

saiba mais clicando no logo:

logo catraca